Impostos

Saiba que deduções pode fazer para poupar no IRS

3 min

Com os prazos já a decorrer, está na hora de acertar contas com o Fisco. Saiba que deduções pode incluir na sua declaração de IRS relativa a 2014 para poder baixar a fatura fiscal.

Em 2016, quando entregar a declaração do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), já terá de levar em conta algumas alterações que entraram em vigor este ano, na sequência da reforma deste imposto. Mas, para já, com os prazos a decorrer, importa mais saber o que pode deduzir em relação aos rendimentos obtidos em 2014, para que as contas que tem de acertar com o Estado fiquem mais simpáticas para o seu bolso. 

  • Se teve despesas de saúde em 2014, pode deduzir 10% dos gastos que foram alvo de tributação através do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) a 6% ou que estavam isentos desta taxa. O limite é de 838,44 euros, a que acrescem 125,77 euros por cada dependente, isto no caso de famílias em que existam três ou mais filhos.Nas despesas de saúde sobre as quais tenha incidido o IVA à taxa normal, isto é, 23%, e justificadas com receita médica, também se aplica a dedução de 10%. O limite, porém, é mais baixo: 65 euros. 
  • Ter um seguro de saúde também lhe permite reduzir a fatura fiscal. Pode deduzir 10% dos prémios pagos à seguradora. No entanto, o limite é baixo: apenas 50 euros, a que se somam 25 euros por filho.
  • Muitas famílias contrataram um empréstimo junto de um banco para poderem comprar casa. E os encargos suportados com estes créditos podem ser deduzidos, também, no IRS. Pode deduzir 15% dos juros pagos ao longo de 2014, quando o contrato foi concretizado até dezembro de 2011. O limite é de 296 euros, mas pode ser majorado até 444 euros, no caso de contribuintes que integrem no primeiro escalão de rendimentos, e até 355,20 euros nas situações em que o contribuinte esteja no segundo escalão.
  • As despesas suportadas com o arrendamento de imóveis para habitação permanente são, igualmente, dedutíveis em 15%. Limite? É de 502 euros.
  • Se efetuou obras de reabilitação, pode fazer a dedução de 30% das respetivas despesas, com um teto máximo de 500 euros.
  • Os gastos realizados com educação entram nas contas e são outra forma de pagar uma conta menos pesada de IRS. Podem ser deduzidos 30% dos encargos e o limite é de 760 euros. A este valor, podem acrescentar-se 142,5 euros por cada dependente em famílias onde existam mais de três filhos.
  • Numa medida que pretendeu ajudar a combater a fraude e a evasão fiscal em determinados setores, o Governo decidiu aceitar a dedução do IVA pago nalgumas faturas. As despesas feitas em restaurantes, cabeleireiros, reparação de automóveis e hotéis têm direito a uma dedução de 15%, com um limite de 250 euros por família.
  • Os gastos com lares são outra área em que pode beneficiar de dedução. Neste caso, é de 25% das despesas com aquelas entidades mas, também, em serviços de apoio domiciliário do próprio contribuinte, ascendentes e colaterais até ao terceiro grau que disponham de rendimentos inferiores a 505 euros. O limite é de 403,75 euros.
  • Pode deduzir 20% dos encargos com pensões de alimentos, mas estas despesas têm de estar comprovadas e sustentadas numa sentença judicial ou num acordo com a mesma natureza. O limite é de 419,22 euros por mês e por cada beneficiário da pensão de alimentos.
  • Poupar para a reforma é uma boa ideia. Quem o faça através de planos poupança- reforma (PPR) ou fundos de pensões pode deduzir os valores aplicados até ao limite de 300 a 400 euros, de acordo com a idade do aforrador. Também os Certificados de Reforma, produto gerido pelo Estado, beneficiam de incentivos fiscais. Os montantes aplicados neste instrumento dão direito à dedução de 20%, com um limite de 350 euros.
  • Se fez doações a instituições de solidariedade social, pode deduzir 25% dos valores entregues, mas com um limite que se situa em 15% da coleta de IRS. Nas doações ao Estado, não há quaisquer tetos.

No regime fiscal do IRS que se aplica aos rendimentos de 2014, há limites para as deduções que variam de acordo com as remunerações obtidas. Saiba quais são.

Valor do rendimento coletável          Limite às deduções         Limite aos benefícios fiscais

Até 7000 euros                                         sem limite                              sem limite

De mais de 7000 até 20 mil euros              1250 euros                             100 euros

De mais de 20 mil até 40 mil euros            1000 euros                              80 euros

De mais de 40 mil até 80 mil euros              500 euros                              60 euros

Mais de 80 mil euros                                     0                                         0