Dinheiro

Quanto tempo demora a ficar disponível uma transferência bancária?

3 min

Será que o dinheiro já caiu na minha conta? É uma dúvida frequente. Os prazos das transferências bancárias variam conforme os bancos onde as contas estão abertas. Saiba com o que pode contar.

Data de publicação 2020 M12 11

É muito simples: o dinheiro sai de uma conta, a pedido do seu titular, e entra na conta de outra pessoa ou empresa, onde deve ser creditado na íntegra em pouco tempo. Ainda assim, há regras nacionais e europeias para assegurar que as transferências bancárias são efetuadas com rapidez e segurança. Tiramos de seguida todas as dúvidas que possa ter.

Esteja atento aos prazos

O tempo de uma transferência bancária é contado a partir do momento em que o banco recebe a ordem e é contabilizado em dias úteis bancários. Isto é, dias da semana (de segunda a sexta) em que as instituições estão abertas ao público, no horário entre as 8:30h e as 15h. Se fizer uma transferência bancária num fim-de-semana ou feriado, ou após as 15h de um dia da semana, o dinheiro só deverá ficar disponível no dia útil seguinte.

Segundo o portal oficial de informação financeira Todos Contam, há ainda duas exceções de dias úteis que afetam os prazos: 26 de dezembro, por ser logo a seguir ao Natal, e a segunda-feira a seguir à Páscoa.

Outro aspeto importante é que os prazos de transferências bancárias não são todos iguais e dependem do tipo de operação que é efectuada:

  • Transferências intrabancárias: no caso das transferências em euros entre contas da mesma instituição, o valor deve ser creditado na conta do beneficiário no mesmo dia da receção da ordem de transferência.
  • Transferências interbancárias: para operações entre bancos diferentes, o valor deve ser creditado na conta do beneficiário até ao final do dia útil seguinte à ordem de transferência.

Estes prazos aplicam-se tanto a transferências efectuadas entre instituições que estão em Portugal como outras nos países da União Europeia. Ou mesmo de outros países do espaço europeu, como Noruega, Suíça ou Islândia.

Existem algumas variações relacionadas com instituições ou operações, mas as transferências nunca devem demorar mais de quatro dias, ou cinco se a ordem tiver sido dada em papel.

Mais rápido também custa mais dinheiro

A maior parte das operações de transferência bancária não tem custos ou estes são bastante reduzidos. Mas também não existem regras definidas para as comissões que os bancos podem cobrar por esse serviço. A única diretriz europeia neste sentido é que uma transferência entre instituições diferentes, e principalmente de países diferentes, não deve trazer mais custos a quem ordena a transferência do que aqueles que lhe seriam imputados nessa instituição ou país. O Banco de Portugal disponibiliza um comparador de comissões que permite saber o custo de uma transferência bancária em dezenas de instituições, bem como várias outras operações efetuadas pelos bancos.

Um método ainda mais rápido para enviar dinheiro ou pagar um serviço são as chamadas transferências imediatas, que arrancaram em 2018. Demoram 10 segundos - quase literalmente, já que ao fim de 20 segundos a operação é cancelada se não estiver concluída. Têm comissões que variam normalmente entre 0,5€ e 2,5€, mas podem ser bastante superiores em determinados bancos.

As transferências imediatas ‘começam’ onde o MB Way ‘acaba’. É que este outro método, muito usado atualmente também, está limitado a 750€ por transação, enquanto nas transferências imediatas, que estão disponíveis em Portugal e noutros 35 países europeus, o limite está nos 100 mil euros.

Quanto à segurança, apesar da comodidade do homebanking, o sistema mais recomendado para fazer uma transferência é o Multibanco, uma vez que permite ver o nome ou designação do destinatário, ajudando a que não sejam cometidos erros que podem custar caro.

Tem alguma dívida ou crédito por pagar? Descubra se está na lista negra do Banco de Portugal. Espreite também quais as regras mais importantes para ser um bom cliente na altura de pedir crédito.