Direitos e Deveres

Porque é que a Amazónia é importante?

2 min

3 questões fundamentais que deve ficar a saber.

Há quem diga que a Amazónia é o pulmão do mundo e, por isso, todos nos devemos preocupar com o desmatamento e as queimadas de que está a ser alvo. Outros defendem que é um território fértil, que deve ser explorado para beneficiar a economia do Brasil. Neste artigo, ajudamo-lo a distinguir as verdades dos mitos e explicamos-lhe porque é que deve importar-se com a Amazónia.

 

A Amazónia é o pulmão do mundo?

Não. Esta ideia parte de um cálculo sobre a alta produção de oxigénio no processo de fotossíntese das árvores da Amazónia. No entanto, numa situação de equilíbrio, qualquer floresta é neutra: ou seja, a quantidade de carbono que fixa, através do processo de fotossíntese, é igual à quantidade que liberta. Mais de metade do oxigénio do mundo (55%) é gerado pelas algas marinhas. Quanto ao que é produzido pela Amazónia, há investigadores que defendem ser cerca de 20% do oxigénio do mundo e outros que garantem ser apenas 0,001%.

A destruição da Amazónia afecta o resto do mundo?

Sim. Embora não seja o pulmão do mundo, a Amazónia tem um papel fundamental na regulação do clima global. As florestas tropicais têm árvores defolhas perenes que armazenam carbono. As queimadas lançam o carbono na atmosfera e ampliam o efeito de estufa, causador do aquecimento global e das alterações climáticas.

Além disso, uma floresta tropical húmida contribui com até 75% das suas necessidades de água. A maior parte da água da chuva é absorvida pelas plantas e devolvida à atmosfera sob a forma de vapor de água. Cada uma das árvores da Amazónia lança na atmosfera entre 300 a mil litros de água por dia. Com o desmatamento, a parcela de precipitação que era transpirada pelas plantas transforma-se em escoamento e vai engrossar o caudal dos rios. Como esta água deixa de ser devolvida à atmosfera, a chuva na região vai diminuir e tornar-se irregular. Outro dos resultados, é esta chuva ir para outras regiões do Brasil, num fenómeno que ficou conhecido como “rios voadores”, uma vez que também influencia as correntes dos oceanos.

A floresta amazónica é extremamente fértil?

Não. Os solos da floresta amazónica são antigos, ácidos e muito pobres. A maioria dos solos são tão duros, que até são considerados rochas. Como é que a floresta sobrevive? Vai buscar os nutrientes a si própria, através de uma espécie de sistema de reciclagem. Quando a floresta é destruída para colocar plantações agrícolas, as colheitas podem ter bons resultados no primeiro e segundo anos, mas, a partir daqui, a queda é vertiginosa. Como o processo de reciclagem deixa de existir, os nutrientes esgotam-se rapidamente. Além disso, a idade média das árvores é de cerca de 200 anos, mas outros 200 anos não serão suficientes para repor tudo o que foi perdido. Nas áreas agrícolas abandonadas, poderão surgir “florestas secundarias”, mas não terão a mesma diversidade nem nutrientes.