Trabalho e carreira

Dez passos para abrir uma loja online

5 min

A pandemia acelerou a digitalização dos negócios e a abertura de lojas online. Se está a pensar abrir uma loja online, saiba que pode ser mais fácil do que imagina. Nós explicamos como neste artigo.

Data de publicação 2021 M11 29

Nos últimos anos, o comércio eletrónico tem crescido de tal forma que já quase não nos lembramos de como era a vida antes de ser possível comprar qualquer coisa sem sair de casa. E se as lojas virtuais já estavam bem lançadas globalmente, com a pandemia tornaram-se ainda mais presentes – e necessárias também - para ajudar a fazer face às limitações impostas pelo confinamento.

Portugal segue a tendência mundial e cerca de 4,4 milhões de portugueses fizeram, pelo menos, uma compra online em 2020, segundo o CTT e-Commerce Report 2021, lançado recentemente. A estimativa é que, no final de 2021, sejam já 4,6 milhões de portugueses a comprar online. Quanto às motivações dos consumidores que optam pelo e-commerce, destacam-se sobretudo as relacionadas com a facilidade da aquisição (74,2%), a possibilidade de comprar a qualquer hora (62%), as promoções (56,3%) e os preços (52,4%).

Mas as vantagens não estão só do lado dos consumidores (ou e-buyers). Também os vendedores (e-sellers) encontram nas lojas virtuais inúmeros benefícios, nomeadamente, o facto de a loja online estar sempre aberta, chegar a pessoas de todo o mundo e os riscos serem menores, já que não há necessidade de um grande investimento inicial. Além disso, uma loja online é muito mais fácil e rápida de montar que uma loja física. Não acredita? Siga os dez passos que lhe indicamos já de seguida e, no final, terá o seu próprio comércio online criado:

1 – Pesquise sobre o produto ou negócio que quer apostar

Este passo parece daqueles óbvios, mas acredite que nem toda a gente prepara o seu negócio desta forma. A verdade é que a primeira etapa para criar uma loja online passa por fazer alguma pesquisa de mercado prévia no sentido de encontrar aquela ideia brilhante relacionada com algo que tenha procura e que possa ser vendido na Internet. Se for numa área que conhece bem ou que esteja relacionada com as suas preferências ou formação, tanto melhor, pois todos os conhecimentos que possa ter sobre o mercado são preciosos.

2 – A informação nunca é demais e as fotografias são indispensáveis

Para perceber a importância deste ponto basta que se coloque no papel de cliente e se lembre da quantidade de vezes que não comprou determinado artigo porque a informação disponível no site era escassa, pouco clara ou as fotografias eram inexistentes ou de má qualidade. Esta é daquelas etapas que não pode mesmo ignorar. Reúna o máximo de informação possível sobre cada artigo (tamanho, cor, materiais, etc.) e aposte em fotografias de excelente qualidade.

3 – Dê um nome e registe o domínio

Este passo é fundamental, porque a loja vai funcionar online e vai precisar de um nome. Trata-se basicamente do endereço que vai servir para os clientes chegarem até si e para os motores de busca o encontrarem. Aqui deverá colocar o nome da sua loja, o qual deve estar relacionado com o produto/serviço que vende, sendo conveniente apostar num nome simples e de fácil memorização.

4 – Chegou a altura de criar a loja online

Segue-se a etapa crucial da criação da loja propriamente dita, sem a qual nada acontece. Esta pode ficar a cargo de um programador e/ou web designer, mas, a não ser que tenha conhecimentos na área, o mais fácil, rápido e barato será, sem dúvida, optar por uma das muitas hipóteses de lojas online pré-feitas e disponíveis, algumas gratuitamente, como é o caso da freewebstore.com. Dê preferência a um layout simples e que permita uma navegação fácil e intuitiva, com um fundo de cor clara que permita que os produtos sobressaiam naturalmente.

5 – Vamos ao que queremos mostrar: os produtos para venda

Lembra-se das fotografias que tirou aos produtos e a descrição pormenorizada que elaborou dos mesmos? Agora é o momento de adicionar todos os produtos à loja que acabou de criar, isto é, construir a montra virtual, que deve ser apelativa, organizada e manter um ar atual, funcional e dinâmico, tal e qual como a montra de uma loja física.

6 – Escolha as formas de pagamento

É uma das componentes mais importantes do comércio online e, para que os consumidores não desistam na hora de comprar, o processo de pagamento deve inspirar confiança. Tal consegue-se, por exemplo, através da exibição de marcas ou modalidades conhecidas, como PayPal, MB Way, transferência bancária ou, no caso de Portugal, referência Multibanco.

7 – Defina os modos de envio

Tal como no ponto anterior, é importante transmitir segurança, pois o cliente só dará o passo decisivo no sentido da compra se acreditar que o produto acabará por lhe chegar às mãos em condições. É ainda importante especificar o valor dos portes de envio, bem como funciona a política de trocas/devoluções.

8 – Deixe os contactos e não se esqueça da política de privacidade

É muito importante disponibilizar no site, e num lugar bem visível, todos os seus contactos, para que a pessoa possa optar pela forma que lhe for mais conveniente de chegar até si. Há quem prefira enviar e-mails, mas outras pessoas preferem trocar mensagens numa plataforma mais imediata, como o Instagram ou o WhatsApp, por exemplo.

Deve ainda fazer referência à política de privacidade da sua página, isto é, terá de ​proteger a privacidade​ dos clientes cumprindo o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD). Pode saber mais sobre isto no site da Agência para a Competitividade e Inovação - IAPMEI.

9 - Tenha um sistema de faturação

Para manter uma loja aberta, mesmo que online, precisa de um software de faturação certificado pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), que lhe vai permitir a emissão de faturas e recibos, criação de relatórios de vendas, gestão organizada da informação dos clientes e emissão de ficheiro SAFT (Standard Audit File for Tax Purposes), entre outras funcionalidades. Lembre-se que é obrigatório comunicar mensalmente a faturação à AT, de forma automática ou enviando o ficheiro SAFT.

10 – Não é o fim, mas o objetivo que nos trouxe: vender

Para o conseguir com sucesso, potencie a navegação na loja e promova-a o mais que puder. Pode apostar em publicidade online, através de Redes Sociais, de Facebook Ads, Google Adwords, ou E-mail marketing. A dica principal aqui é: persistir, sem nunca esquecer de prestar atenção ao cliente e ao serviço que está a prestar. Fazer inquérito de satisfação, com perguntas simples no final da compra, pode ser uma boa forma de avaliar o serviço e melhorar.

Se já vinha há algum tempo a idealizar a sua loja online, agora já sabe como começar um negócio online de sucesso.