Poupar

Como comprar roupa sustentável, amiga do ambiente e dentro do orçamento

2 min

Vestir roupa amiga do ambiente requer despender mais dinheiro no ato da compra. Mas já se consegue encontrar no mercado roupa sustentável e a preços acessíveis.

Roupa barata tem um custo elevado para as pessoas e para o planeta. Tecidos sintéticos como o poliéster requerem grandes quantidades de energia, água e produtos químicos tóxicos na sua produção.  

Se há cadeias de roupa que optam por mão-de-obra barata para vender a preços mais baixos, há várias marcas de moda que se comprometeram a ser mais sustentáveis. O problema é que este objetivo aumenta os custos.

Nem tudo está perdido. Pode ter roupa sustentável sem gastar muito dinheiro. Como? Se souber onde procurar, pode fazer compras amigas do ambiente e da sua carteira. É que o vestuário sustentável é mais caro, mas também dura mais porque utiliza fibras mais duradouras produzidas sem pesticidas, fertilizantes, nem qualquer tipo de produto químico.

Os tecidos "mais verdes" integram fibras renováveis, que são fáceis de produzir, e onde se inclui o linho, o bamboo, a lã de alpaca e a seda. Utilizam pouca água e consomem energia renovável. As lojas que vendem roupa sustentável utilizam corantes naturais, como cochonilha e índigo, que são derivados de plantas, animais ou insetos e, por isso, de baixo impacto, oferecendo uma alternativa mais verde.  

Cada vez que precisar de mudar o seu guarda-roupa pense bem onde o fazer. Antes de comprar, reveja primeiro a necessidade de o fazer. Se for mesmo necessário, saiba que já existem várias alternativas. Umas mais caras do que outras. Para poupar algum dinheiro, pode comprar em segunda mão na centenária Feira da Ladra, na Feira da Buzina, no LX Market, na Feira das Almas, em Lisboa, e no Flea Market ou Feira da Vandoma, no Porto.

Há ainda algumas lojas a despontar, como a Outra Face da Lua, Loja Baú, Ás de Espadas, Viúva Alegre, Humana, Quartier Latin ou Rosa Chock.

As opções não se ficam por aqui. No vestuário existe a AMA - Associação de Moda Africana em Lisboa, que tem como ponto de venda um atelier situado em Alcântara. A marca de Vestuário cruelty-free Ana Segurado, no Porto, o Atelier 1200, e a Oficina 166 em Lisboa, vendem roupa produzida com fibras naturais. A Loja da Burel vende acessórios e vestuário 100% nacionais com Burel, tecido artesanal de origem serrana, feito totalmente em lã.

Mas, atenção, já há marcas de grande consumo a vender roupa mais ecológica. É o caso da Zara, que acaba de lançar a linha Join Life, cujas peças são produzidas com algodão orgânico, tencel e com poliéster reciclados.

A coleção Join Life é produzida a partir de uma tecnologia que inclui reciclagem de água e produção de acordo com modelos de sustentabilidade ambiental no tratamento e tingimento dos tecidos. Também a H&M vende uma linha mais amiga do ambiente, a H&M Conscious.