Poupar

Como blindar o seu casamento contra discussões sobre dinheiro

3 min

Quando duas pessoas tomam a decisão de se casar ou de viver em união de facto é necessário ter de limar algumas arestas práticas. Uma delas é a gestão do dinheiro.

Quer evitar discussões futuras sobre finanças? Siga estes cinco conselhos que podem ajudar a blindar a sua relação contra discussões sobre dinheiro.

1. Converse sobre o dinheiro. No íncio de uma relação, em que ainda se está a conhecer o outro, não há grande à vontade para falar de dinheiro. Mas à medida que a relação avança, é importante começar a falar sobre o tema. Antes de ter uma conversa aberta sobre o assunto, comece por perceber como é que o outro lida com o dinheiro. Mesmo que não saiba ao certo quanto ganha a outra pessoa, pode perceber o seu nível de vida pela profissão, pelos gastos que faz durante os momentos que passam juntos ou pelo sítio onde mora. Embora seja um tema delicado de abordar ao ínicio, falar sobre dinheiro é, também, uma forma de estabelecer intimidade com a outra pessoa e perceber qual a relação dela com as finanças pessoais.

2. Divida as despesas. Logo após o ínicio da vida em comum, é importante definir como serão divididas as depesas. Não existe uma fórmula única, que sirva para todos os casais, o importante é que os dois se sintam confortáveis com a situação. Para alguns casais faz mais sentido dividir as despesas a meio, outros consideram que o melhor é cada um contribuir na proporção dos seus rendimentos. Nenhum dos membros do casal tem de pedir autorização para realizar despesas, mas depois de estabelecida a forma de abordar os gastos, é importante que ambos se comprometam com o decidido e não realizem despesas que possam comprometer o orçamento do casal.

3. Tome as decisões financeiras em conjunto. Parece óbvio, mas uma das coisas mais importantes é decidir tudo aquilo que envolve gastar dinheiro a dois, como ir às compras ou planear as férias. As decisões sobre dinheiro e gastos não devem apenas ser tomadas pelo elemento do casal que ganha mais. Independentemente da contribuição de cada um para as despesas, os dois devem sentir que têm uma palavra a dizer sobre o assunto. A forma como cada um gere o dinheiro pode ser diferente e estes momentos também devem ser aproveitados para conversar e estabelecer uma forma de lidar com os gastos que seja confortável para os dois.

4. Faça uma poupança conjunta para imprevistos. A partir do momento em que o casal partilha as despesas e faz um orçamento comum – o que não significa que partilhem as contas bancárias, os dois membros do casal devem manter contas individuais – é também importante que se faça uma poupança conjunta. Fazer um pé-de-meia a dois é uma forma de prevenir que acontecimentos imprevistos possam vir a afetar a vida financeira do casal e se transformem numa fonte de conflitos. Se um dos membros do casal ficar desempregado, por exemplo, a existência de uma poupança para fazer face a essa situação é fundamental para manter a tranquilidade financeira da família.

5. Planeie objetivos em comum. Antes de tomar decisões que tenham um grande impacto na vida financeira comum – como fazer remodelações, comprar uma casa, comprar um carro de família ou ter um filho – defina quais são as prioridades dos dois. Se prefere mudar de casa ou de profissão antes de ter um filho, acompanhe cada uma dessas metas um objetivo financeiro. É importante que ambos estejam de acordo em relação aos objetivos de longo prazo e aos meios que vão mobilizar para os atingir, nomeadamente em matéria de soluções de poupança e de investimento.