Poupar

Carros partilhados. Alternativas ao carro próprio chegaram a Portugal.

4 min

Já pode conduzir um carro partilhado em Portugal. Descubra como funciona e quanto custa o serviço.

A crise económica e a revolução virtual criaram o ambiente ideal para promover a economia de partilha, um conceito que se alastrou ao mundo automóvel. Portugal não é exceção. Além de automóveis, já chegou ao país uma empresa que permite o aluguer de motas por prazos alargados, com serviços incluídos.

Comecemos pela partilha de carros. Citydrive, Booking Drive e Drive Now são três formas diferentes de carsharing no nosso país. Permitem a qualquer pessoa que tenha carta conduzir sem ter um carro próprio, mas os conceitos são diferentes.

Como funciona?

A Citydrive funciona atualmente em Lisboa e tem uma frota própria. Para usufruir do serviço, há que fazer o registo na internet. A partir daí, o cliente reserva o veículo através de uma aplicação disponível para os softwares iOS (Apple) e Android (Google). Na aplicação pode ver os veículos disponíveis no mapa da cidade e saber qual a percentagem de combustível disponível no automóvel. Feita a reserva, dirige-se ao carro, que é aberto depois de ser introduzido um código PIN também na aplicação. A chave de ignição está dentro do veículo e é deixada no mesmo local no momento da devolução.

Já a Booking Drive, permite, além da partilha de carros, a rentabilização de veículos próprios. Como é que tudo se processa? Depois de fazer o registo na internet, o cliente escolhe o carro que pretende alugar. Através do chat, o cliente e o proprietário marcam um encontro no local onde o carro será entregue e devolvido. A grande diferença em relação ao sistema anterior é que o proprietário é compensado pelo aluguer do próprio veículo. Resta dizer que os carros estão disponíveis sobretudo nas zonas de Lisboa e Porto e na ilha da Madeira.

Quanto custa?

Na Citydrive, a tarifa base inclui 20 quilómetros por cada hora e prevê um custo de 29 cêntimos por cada minuto, seja em viagem ou estacionado. Inclui a oferta dos primeiros 15 minutos em standby.

Para o estacionamento, existem três zonas de serviço dentro da cidade: a verde (para estacionar sem custos), a amarela (nesta zona, se ninguém usar o carro após 12 horas tem de pagar mais 10 euros) e a azul (onde não pode deixar o carro quando terminar a viagem).

Com a Booking Drive, a tarifa é determinada pelo proprietário do veículo. Há preços por hora, dia, três dias e uma semana. Quanto ao rendimento, no caso dos proprietários, alguém que partilhe o seu carro por 30 euros/dia, fazendo 3 partilhas por semana, conseguirá um rendimento anual extra superior a 3500 euros.

Formas de pagamento

Para poder usar o serviço da Citydrive, tem de ter saldo positivo na conta. Esta pode ser carregada através de uma referência Multibanco.

Já na Booking Drive, o pagamento processa-se entre o dono do automóvel e o cliente, que paga o serviço com cartão de crédito. Por cada aluguer é também debitada uma caução de 100 euros.

Aspetos práticos

Em ambos os casos, os veículos têm seguro e a manutenção é assegurada pela empresa, no caso da Citydrive, ou dos proprietários, no caso da Booking Drive.

Carros elétricos

Os adeptos de carros elétricos encontram uma opção à sua medida. O serviço 24/7 City, da Hertz, permite a partilha de carros elétricos – neste caso, BMW i3 - que podem ser alugados à hora ou ao dia. Os preços vão dos 9 euros, por uma hora, aos 49 euros por um dia inteiro. O valor inclui 30kms por cada hora e permite o máximo de 300kms por dia.

A partilha de carros em Portugal é uma novidade?

Não. A fórmula de partilha de carros começou no final de 2008, com a Carristur, empresa do universo da Carris. Na altura, foi lançado o Mob Carsharing, um serviço de aluguer de automóveis à hora que permitia aos clientes reservar um veículo através da internet ou do telefone e tê-lo disponível imediatamente.

A EMEL chegou a associar-se ao projeto e a proporcionar estacionamento grátis por quatro horas em lugares na via pública. No entanto, a falta de procura ditou a suspensão do serviço, em março de 2016.

Aluguer de motas

A empresa espanhola Cooltra abriu portas em Portugal há cerca de um ano. O negócio começou por dirigir-se a clientes particulares, mas mais tarde passou para as empresas.

A maior empresa europeia de aluguer de motas oferece a possibilidade de ter motas alugadas por prazos alargados, com serviços incluídos. O modelo é semelhante ao renting de automóveis.

As motas disponíveis vão desde Cargo Scooters, Scooters, Maxi Scooters, a motos de 3 rodas ou Motorbikes.

Quanto a preços, o aluguer de uma mota pode variar entre 50 a 190 euros/mês.

É possível alugar uma mota por um prazo até aos 36 ou 48 meses, com quilometragens mensais que podem ir desde os 500 aos 1500 km por mês.

Com o carsharing a manifestar-se como uma tendência a nível mundial, investir na compra de um carro próprio poderá, no futuro, deixar de fazer sentido.