Poupar

Bicicletas partilhadas: um novo meio de transporte público

1 min

O projeto Lisboa Bike Sharing convida a ver Lisboa com outros olhos. Sem stress, nem ruído, nem poluição. Trata-se de uma nova alternativa de transporte público, mais amiga da cidade. E da sua carteira, também.

A rede de bicicletas partilhadas da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) já começou a ser testada por voluntários e convidados. Isto significa que, em breve, na capital estará acessível a todos uma nova alternativa de transporte público.

O projeto disponibilizará 1410 bicicletas (940 elétricas e 470 convencionais), que vão estar disponíveis por toda a cidade, em 140 estações. Para facilitar as deslocações e tornar os caminhos ainda mais acessíveis, quase mil bicicletas serão elétricas.

O processo é fácil. Tão fácil como andar de bicicleta:

  • Escolher. Usar a app Lisboa Bike Sharing para escolher a bicicleta.
  • Pedalar.
  • Arumar. Deixar a bicicleta arrumada na estação que estiver mais à mão.

A reserva e utilização das bicicletas vai ser acionada através de uma App disponível no sistema operativo IOS ou Android. Poderão utilizar as bicicletas todos os cidadãos maiores de idade que estejam em Lisboa. Ou seja, residentes e trabalhadores em Lisboa, visitantes ou turistas. Os valores a pagar pelo serviço ainda não foram divulgados, mas de acordo com o plano de negócio do projeto, divulgado em fevereiro do ano passado, o passe anual deverá custar 36 euros e o bilhete diário dez euros.

Para quem trabalha em Lisboa esta pode passar a ser uma alternativa ao carro nas deslocações diárias. Sairá sempre muito mais barato, além de ter a vantagem de evitar as dores de cabeça com a questão do estacionamento.

Se gostava de fazer parte do grupo de lisboetas que está a testar em primeira mão o Lisboa Bike Sharing, inscreva-se aqui e tente a sua sorte.