Investir

5 passos para avaliar a saúde das suas finanças pessoais

3 min

Saiba como estão as finanças do seu agregado familiar em termos de liquidez, dívidas e poupança. Em cinco passos terá um relatório da saúde das suas finanças pessoais.

Sabe qual o peso dos créditos no seu orçamento? Qual o seu nível de liquidez atualmente? Quais as despesas que consomem mais do seu orçamento? Estas são apenas algumas das questões que deve fazer para saber identificar o estado atual das suas finanças. Em cinco passos rápidos é possível fazer uma avaliação financeira, veja como: 

1. Faça um mapa de receitas e despesas mensal - Anote diariamente as suas despesas no mapa e verifique quanto é que cada despesa pesa no seu orçamento. Só fazendo uma descrição detalhada de tudo o que gasta (desde o café à prestação da casa) irá ser possível identificar para onde está a ir o seu dinheiro e quais as categorias que consomem mais no seu orçamento. Existem várias aplicações que o podem ajudar nesta gestão, como por exemplo o Boonzi, aplicação desenvolvida por uma start-up portuguesa e que, entre outras funcionalidades, permite a importação de todos os seus extratos bancários. Embora não exista um orçamento perfeito, cada família deve distribuir as despesas pelas categorias que fazem sentido no seu agregado familiar   . 

2. Avalie a sua situação líquida - Este indicador vai ajudá-lo a compreender como ficaria a sua situação se utilizasse todos os ativos (bens que pode transformar em dinheiro) para eliminar os passivos (ou seja, as suas dívidas). Por essa razão, deverá aplicar a fórmula: ativos - passivos = saldo líquido. Se o resultado for positivo, está no bom caminho. Significa que se vendesse tudo hoje teria dinheiro suficiente para pagar as despesas e ainda sobrava capital. Se for negativo talvez esteja na altura de reavaliar o seu orçamento. 

3. Avalie a sua liquidez - Ao analisar as suas finanças é importante também avaliar a liquidez. Para isso poderá utilizar a seguinte equação: ativos líquidos – passivos líquidos = liquidez. São considerados ativos líquidos, todos os ativos convertíveis em dinheiro em menos de um ano, enquanto o passivo circulante são as dívidas que podem ser pagas até um ano. Imaginando, por exemplo, que ter dinheiro numa conta é um ativo líquido mas a casa já não é. Embora possa conseguir vender uma casa em menos de um ano. O resultado indica o seu estado de liquidez e deve ser maior do que 1, porque esse é o ponto em que ambos são iguais. O ideal é que o resultado seja maior que 2. Significa que os seus ativos líquidos são o dobro das dívidas de curto prazo. Por exemplo se tem 1000 euros em depósitos e tem 500 euros no cartão de crédito, o resultado é 1000/500= dois. 

4. Contabilize o peso das dívidas - Avalie quanto é que os créditos pesam no seu orçamento. Se ultrapassam os 40% e prevê que esse valor aumente, tenha atenção, porque está na zona vermelha. Inicie uma dieta de dívidas e comece por eliminar as dívidas com as taxas de juro mais elevadas. 

5. Avalie o nível de poupança - Avalie a sua saúde financeira em função do montante mensal que poupa. Quanto é que poupa atualmente? Se ainda não poupa comece a fazê-lo, por muito pouco que possa parecer. Estabeleça um valor, por exemplo, 10% de poupança que deve ser feita assim que receba. Nunca deixe para o final do mês para ver se sobra, normalmente nunca sobra. Retire esse dinheiro logo no início e viva com o restante. 

Depois de fazer este “check-up” às suas finanças deve analisar cuidadosamente os resultados, juntamente com todo o agregado familiar, e traçar objetivos. Este é o início da transformação das suas finanças pessoais. 

 

Artigos relacionados: